quinta-feira, 23 de abril de 2009

Fábio Jr.

A minha pesquisa dessa vez foi sobre o cantor Fábio Jr. Eu gosto do jeito como ele interpreta músicas conhecidas e de grandes nomes da música brasileira. Então veja só o que descobrir dessa pessoa múltipla, que faz de tudo um pouco.

“Famoso tanto como ator quanto cantor, Fábio Jr. nasceu em São Paulo, em 21 de novembro de 1953, com o nome de Flávio Ayrosa Correia Galvão. Menino, já tentava a sorte como cantor em programas infantis como o Mini-Guarda, da TV Bandeirantes. No início dos anos 70, antes de adotar o nome de Fábio Jr., seguiu a tendência do mercado daquela época ? que preferia que os cantores brasileiros gravassem em inglês com nomes estrangeiros ? e passou a usar os pseudônimos de Mark Davis e Uncle Jack. Como Mark Davis, o artista chegou a lançar disco em 1974 e emplacou uma canção, Don\'t Let me Cry, feita para uma namorada morta no incêndio do edifício Joelma, ocorrido em São Paulo no ano anterior.
Em 1976, o cantor abandonou os pseudônimos e adotou o nome artístico de Fábio Jr., com o qual lançou um LP. Paralelamente, Fábio começou a trabalhar como ator de novelas. Em 1977, integrou o elenco de Nina, da Rede Globo Em 1978, participou na mesma emissora do seriado Ciranda Cirandinha e, num dos episódios da série, teve a oportunidade de mostrar sua canção "Pai". Encantada com a música, a novelista Janete Clair escolheu "Pai" como tema de abertura de sua nova trama, Pai Herói...”

Retirado do site: Vagalume

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Sozinho – Por Jenfte Alencar

Sozinho queria está sem que nada ou ninguém atrapalhasse. Poderia ser por apenas um dia, podendo então finalmente ouvir, pensar, sonhar... Fugir um pouco da rotina diária que levo e assim poder refletir sozinho... Sozinho... O que a solidão representa? Uma fase? Até quando estamos sós? O sorriso fugiu da minha face se escondeu dos meus lábios. A esperança e a vida saíram da minha alma. Não tenho mais espaço para nenhum sentimento. Tudo o que tinha se desfez, virando apenas poeira... Pó, mas não esse pó de agora, um pó que estava enterrado, encravado há séculos, dormindo esperando apenas que algo ou alguém despertasse. Estou tão só neste mundo tão grande, parece que sou apenas um potinho tentando aparecer, mas é impossível, ninguém me nota. Às vezes tento chamar a atenção das pessoas, mas elas não estão nem aí. Aqueles que dizem que são meus amigos, que são meus companheiros, sempre estão quero me derrubar e me menosprezando na frente daquele outros... Outros que não estão nem aí, o que todos não sabem é que eu também tenho sentimento, que sou humano, mas para eles não passo apenas de um trapo, de um lixo, que incomoda a todos. Um amigo abandona o outro? Um amigo respeita as diferenças e os sentimentos do outro? Até que ponto um amigo deve ficar ao seu lado? Que amigo é esse que lhe destrói? Um amigo sente o que o outro está passando? Um amigo duvida da amizade do outro? Será que estou sendo amigo ou inimigo? Verdadeiro ou falso? Depois de tudo isso ainda tenho amigos ou só mesmo a Lua? A lua que esconde uma amizade inesquecível, incomparável, ela que virou a ponte que encurta a distância entre nós. Será que um dia eu encontrarei um amigo? Às vezes penso em algum dia ter uma máquina que pudesse evitar que eu nascesse. Será que isso iria resolver o problema? Será que fugir assim seria a melhor solução para o que estou passando nesse momento? Não! Isso não é a solução, só estaria adiando o inevitável. Uma hora ou outra, teria que enfrentar, de frente, o que eu estou passando... Às vezes queria alguém com que eu pudesse conversar, falar o que já se encontra preso há anos dentro de mim. Eu não tenho coragem de falar o que sinto. O que é isso?! É medo? É covardia? É culpa? O que é? O que é? Nem eu sei o que é isso direito e nem que sentimento é esse. O que estou sentido?... São tantas coisas que temos em mente que não podemos responder a todas, só espero um dia poder encontrar algumas dessas respostas, mesmo que para isso eu dure um ano, dois anos, três anos... O tempo que for porém um dia irei encontrar...
A Chuva – Por Jenfte Alencar

video

O dia estava chuvoso. Na janela observava os pingos de chuva caindo lentamente. De repente os pingos começam a rolar mais rapidamente. Um clarão bem iluminado cobria toda a cidade e o barulho que fazia estava insuportável, não dava nem se quer para descansar. Já não escutava os meus pensamentos. A água passava pelo córrego como se uma grande enxurrada tivesse alagado o nosso bairro, limpando as impurezas que as pessoas deixam. A alegria dos meninos correndo na chuva, me contagiava só de vê-los brincando, rindo, cantando, bagunçando e sendo felizes. Era realmente um espetáculo para os meus olhos e música para os meus ouvidos. Não tinha ao certo um som definido, era simplesmente a variedade e mistura dos barulhos feitos pela chuva e pelas crianças. O céu estava lindo uma cor meio que alaranjada, avermelha, com um pontinho amarelo no meio dele. Era nada mais que a lua. A lua que tentava iluminar e sobreviver no meio da tempestade. Lutando contra as nuvens que queriam cobri-la. Cansada de tanto lutar, já exausta e sem forças, ela desaparece em meio às nuvens alaranjadas. Passei mais alguns minutos na janela com esperança dela voltar. Queria tanto me despedir e agradecer por me dar esperança naquele momento de medo. Ela foi uma verdadeira guerreira lutando contra todas as nuvens. Quem me dera também lutar contra os meus inimigos, que me perseguem até mesmo quando estou descansando. Sinto-me tão diferente com meus amigos, parece que a cada dia que passa estou me afastando mais e mais deles, é como se a amizade fosse acabando e se transformando apenas em mais um de meus colegas que convivo. Não sei quanto tempo isso ainda vai durar, mas espero que passe logo. Que eu possa novamente contar com eles. Agora só aquela redonda e imensa lua, que antes até me dava medo é quem me faz ficar mais próximo dos amigos. E quem me faz companhia. E quando não a vejo... Sinto-me tão vazio... Passei tanto tempo olhando, pensando, viajando, vivendo algo que ainda pode acontecer, que nem reparei quando a chuva parou. Quando os pingos não corriam mais. Quando a água estava secando nas ruas. E os meninos que faziam toda aquela festa já não estavam mais ali, brincado. Olho para o céu e vejo novamente a lua que clareia aquele céu escuro. As primeiras estrelinhas surgem no céu, circulando a lua por ter voltado. Sei que tudo passa tudo muda, nada é igual a nada, mais que ainda existe esperança para aqueles que lutam como guerreiros. Como vencedores...

sábado, 11 de abril de 2009

R.L. Stevenson

Bom meus amigos a minha pesquisa da semena foi baseada no autor do livro "A Ilha do Tesouro" que é um grande clássico na história da literatura, espero que gostem de saber mais um pouquino sobre R.L.Stevenson.




"Robert Louis Balfour Stevenson (13 de novembro de 1850, Edimburgo – 3 de dezembro de 1894, Apia, Samoa), foi um novelista, poeta e escritor de roteiros de viagem. Escreveu clássicos como "A Ilha do Tesouro", "O Médico e o Monstro" e "As Aventuras de David Balfour" também traduzido como "Raptado".
Nascido em Edimburgo, capital da Escócia, Stevenson era filho de um engenheiro e de uma pastora puritana. Tanto o pai como a mãe carregavam uma tradição familiar em seus ofícios e isso determinou em muitos aspectos a vida do autor. Filho de engenheiro, ele acaba entrando em 1866 na faculdade de engenharia de Edimburgo. Lá ele estuda e escreve durante 1871 e 1872 para o jornal universitário, o Edimburgh University Magazine, revelando seu gosto e talento para a literatura. No ano de 1873, após concluir a faculdade, Robert muda-se para a cidade de Londres,Inglaterra, pois sentia-se deslocado no ambiente familiar, marcado por um clima coercitivo e pela inexorável moral e religiosidade puritanas. Em sua curta estadia na cidade passa a frequentar os salões literários para, algum tempo depois, partir por uma longa viagem pela Europa continental. 1876 é importante na vida particular, pois nesse ano conhece uma mulher norte-americana, Fanny Ousborne, com a qual iria se casar em 1880 , em São Francisco, Estados Unidos..."

Retirado do Site: Wikipedia
Saiba Mais

quinta-feira, 9 de abril de 2009

A Ilha do Tesouro

Um livro de aventura e mistério. Que conta as aventuras de uma turma muito maluquinha, que partem em busca de um tesouro deixado por um pirata muito famosinho. A história de piratas. Se você gosta de uma boa aventura em alto mar não pode deixar de embarca na obra de R.L.Stevenson, um escritor britânico, que envolve a todos com suas narrativas de tirar o fôlego. Não sei como escrever, mais sei que estou escrevendo é tão legal de se ler que nem sei contar como foi que descobrir um livro tão bom assim só sei que foi por acosso pode até dizer que foi sorte. Não sei como explicar essa história só você lendo para saber. Nesse livro não quero falar muito das coisas quero que conta nele, quero que você descubra, que viva ele. Não sei se vai gosta, mais espero que sim.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Os Sonhadores


Essa é mais um história de adolescentes em que dois irmãos gêmeos Isabelle e Theo, vivem em um mundo completamente diferente. Enquanto Paris enfrenta uma revolução, Theo e Isabelle ficam amigos de Matthew, que também acaba entrando para os mesmos jogos e para o mesmo mundo deles. Eles não têm medo de se expressar, mais vivem escondidos do da realidade. Como será viver sonhando com uma coisa que não existe, simplesmente omitindo a realidade? Nesse filme cita nomes de grandes cineastas como Truffaut, Godard, Chabrol, Renoir, Nicholas Ray, Charles Chaplin, entre tantos. É realmente fantástico a maneira em que ele cita as obras clássicas do cinema e ainda os seus diretores. Que você diria de viver no mundo dos sonhos, como esses jovens vivem, mais com os seus próprios sonhos? Será que a sociedade atual deixaria? Isso é realmente possível? E ai vai em cara o desafio? Esse filme foi dirigido pelo cineasta italiano Bernardo Bertolucci. Consulte outras obras dele, você não vai se arrepender.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Byte Coração

Você por acaso já viver um desses amores de internet? Você se lembra quando foi a primeira vez que entrou na internet e o qual o primeiro site que acessou? E o que motivou a voltar a utilizar a grande rede mundial? Pois bem esse livro que li conta justamente isso um menino que as 13 anos entra na internet pela primeira vez só mente para bagunçar o bate-papo da irmã daí então nada foi o mesmo. Você alguma vez já pensou na possibilidade de se apaixonar pela internet? Como seria maneiro ter um amor virtual? Mais isso não é impossível, pois já existe gente que se conheceu na internet e se casou. Isso é que é amor! Um amor que não trem cara. Um amor apenas de palavras, apenas palavras. Por isso dizes que as palavras têm poder, porque ela pode mudar a vida e os sentimentos de uma pessoa. Eu adoraria viver uma história como essa. E você não gostaria de viver um conto de fadas como esse. Leia o livro Byte Coração da autora Rita Speschit. Você não vai se arrende, isso eu garanto!

Reencarnação


Essa semana eu fique muito interessado em saber um pouco mais sobre reencarnação, que é um assunto que muita gente tem duvidas e alguns nem sabe o que é. Esse tema me chamou muita atenção devido o filme minha vida na outra vida que assiste essa semana. Então não perdi tempo e fui direta para internet saber um pouco mais. Veja o que eu encontrei!
“Reencarnação é uma idéia central de diversos sistemas filosóficos e religiosos, segundo a qual uma porção do Ser é capaz de subsistir à morte do corpo. Chamada consciência, espírito ou alma, essa porção seria capaz de ligar-se sucessivamente a diversos corpos para a consecução de um fim específico, como o auto-aperfeiçoamento ou a anulação do carma. A reencarnação é um dos pontos fundamentais do Espiritismo codificados por Allan Kardec, do Hinduísmo, do Jainismo, da Teosofia, do Rosacrucianismo e da filosofia platônica. Existem vertentes místicas do Cristianismo como, por exemplo, o Cristianismo esotérico, que também admite a reencarnação. É oportuno lembrar, no entanto, que tal esoterismo é recente na História. Por esta razão, todas as denominações cristãs não admitem este ponto de vista. E não o fazem porque se fundamentam em antigos documentos da Igreja que nunca admitiram tais teses. A crença na reencarnação tem suas origens nos primórdios da humanidade, nas culturas primitivas. De acordo com alguns estudiosos, a idéia se desenvolveu de duas crenças comuns que afirmam que: Os seres humanos têm alma, que pode ser separada de seu corpo, temporariamente no sono, e permanentemente na morte; As almas podem ser transferidas de um organismo para outro. Entre as tentativas de dar uma base "científica" a essa crença, destaca-se o trabalho do Dr. Ian Stevenson, da Universidade de Virgínia, Estados Unidos, que recolheu dados sobre mais de 2.000 casos em todo o mundo que evidenciariam a reencarnação. No Sri Lanka (país onde a crença é muito popular), os resultados foram bem expressivos.”


Retirado do Site: Wikipedia

Minha Vida na Outra Vida

Um filme que realmente me fez refletir e pensar sobre a vida. Alguns dizem que não existe esse negocio de reencarnação e outros dizem que é coisa de doido, mais para mim isso é verdade. Acredito que um dia eu terei outra vida diferente dessa e confessor adoraria lembrar de como foi a minha outra vida. Não como a personagem Jenny que a maioria de suas lembranças eram tristes, mais gostaria de lembrar dos momentos felizes que tive. Seria muito legal se conhecemos a nossa outra família ou até mesmo uma pessoa que realmente lembra da sua vida passada. Confesso que isso pode até ser estranho mais não impossível. Acho que tudo nesse mundo pode ser real, porque se o homem conseguir inverta a tecnologia, se salvar das mais loucas e impossíveis tragédias porque se lembra da vida passada. No filme mostra exatamente isso, Jenny é casada e tem um filho, mora nos estados Unidos da América. Ela tem visões, sonhos, pensamentos e lembranças de uma família irlandesa da década de 30. Confusa com essas visões ela decide ir procurar ajudar e acaba descobrindo que essas visões não são apenas sonhos mais sim lembranças passadas.... Não deixe de assistir essa fantástica obra de Marcus Cole.